Buenos Aires – Parte IV

Hello everybody!

A pedidos, vou falar um pouquinho sobre hospedagem (e otras cositas) hoje.

Todas as vezes que eu fui, fiquei no Centro. Sim, no centro não há uma vida noturna intensa, mas como eu também não sou muito fã de vida noturna, não foi um problema. O bom do centro é que ele tem transporte para todo lugar. E tem um metrô a cada esquina, e, pra mim, o metrô é o melhor transporte da cidade. Ônibus também funciona bem e é bem barato (mas tenha sempre moedas para pagar o ônibus, porque as maquininhas onde você paga a passagem – lá não se paga diretamente ao motorista e não há trocador – só aceitam moedas), mas eu achei o metrô mais fácil de entender. Apesar de haver várias linhas (pessoal de São Paulo não terá dificuldade nenhuma, já os que moram no Rio vão demorar um pouco pra se entender com todas as linhas que se cruzam), é mais claro entender em que estação saltar e ver o que tem por perto da estação do que saber todos os pontos de ônibus (e todos os números de ônibus) existentes na cidade. Andar de táxi também não é tão caro quanto aqui no Rio, por exemplo, mas é preciso ficar sempre de olho, pois os taxistas de lá, além de não serem muito educados, estão sempre tentando passar a perna nos passageiros e muitas vezes até dão nota falsa, algo muito recorrente por Buenos Aires (já recebi nota falsa até de casa da câmbio!).

Tirando a segunda vez que visitei Buenos Aires, que fiquei em casa de estudantes (fui estudar espanhol), todas as outras vezes que fui me hospedei em albergue. Não sei se hoje ainda tem gente que tem preconceito com albergues, mas garanto que é um ótimo lugar para ficar em suas viagens. Claro que deve haver uma pesquisa prévia, como para qualquer lugar que você for ficar. Mas a maioria dos albergues hoje em dia tem quartos privativos e, mesmo os quartos compartilhados são bem organizados e limpinhos – mas claro que a permanência dessas características vai dos hóspedes do quarto.

Fachada do albergue El Firulete.

Fachada do albergue El Firulete Downtown.

Na minha primeira viagem para a capital portenha, fiquei no El Firulete Downtown em um quarto duplo com minha amiga. O quarto era bem simples, com duas camas e um aquecedor, cabideiros para pendurar bolsas e casacos e, pelo que eu me lembre, tinha um armário para colocarmos as coisas (não achei as fotos por aqui e faz muito tempo, então não lembro todos os detalhes). O El Fireluete é um albergue perfeito pra quem quer se esbaldar na rua Florida, a rua mais turística e cheia de lojinhas de souvenirs da cidade. Pra ter uma ideia, é mais comum ouvir português na rua Florida do que o castellano (não ouse falar para um argentino que ele fala espanhol, senão pode ser que ele te mate! Ensinamentos da minha professora de castellano por lá).

Um dos quartos do El Firulete.

Um dos quartos do El Firulete.

Ele é perto da Plaza San Martín também, uma praça linda cheia de monumentos históricos, como a Torre Monumental. Eu queria muito ter fotos minhas pra colocar aqui pra vocês, mas como as minhas fotos da primeira viagem estão na casa dos meus pais, vou ter que colocar uma de google mesmo. Sorry!

Plaza San Martín e a Torre Monumental ao fundo.

Plaza San Martín e a Torre Monumental ao fundo.

Na verdade, qualquer lugar que você ficar no Centro vai ser perto de vários lugares que dão pra ir a pé. Seus pés, aliás, serão seus melhores aliados na viagem, portanto, cuide bem deles. Esqueça o que eu falei sobre o metrô ser o melhor meio de transporte. Na verdade, o melhor meio de se conhecer a cidade é a pé! Os principais pontos turísticos, poe exemplo, dá pra se conhecer andando de um para o outro. Eu sei que da vez que fui pra lá com o marido nós andamos até não poder mais! É um ótimo modo de poupar dinheiro também, e gastá-lo com coisas mais divertidas, como sorvetes (vou fazer um post só pra falar das sorveterias de Buenos Aires, pode deixar)!

Falando em dinheiro, uma vantagem de ficar hospedado em um albergue é o preço. Eu não sei como estão os preços lá agora, até porque já fazem dois anos desde a minha última ida à cidade e, com a economia indo de mal a pior por lá, os preços que paguei já devem ter mudado bastante. Mas quando fui com marido, em 2012, pagamos 60 pesos por dia pelo quarto (30 por pessoa). Bem mais barato do que um hotel, não acham? Mas aí não era mais o El Firulete, então vamos manter o foco e voltar para o primeiro albergue em que fiquei.

Área comum do albergue.

Área comum do albergue.

A parte das mesinhas e da sinuca, onde a galera fica à noite.

A parte das mesinhas e da sinuca, onde a galera fica à noite.

A área externa (fora dos quartos) do El Firulete era bem variada. Tinha a sala de jogos, onde tinha a mesa de sinuca, onde tinham as mesinhas e a galera ficava até altas horas da manhã (mas o som não invadia os quartos, pode ficar tranquilo), e também a salinha com tv e uns sofázinhos fofos, que era onde eu a antissocial ficava lendo meus livros e escrevendo enquanto esperava minha amiga se arrumar. Lá também tem computadores para os hóspedes usarem e um bar, que não foi utilizado por mim. E na época que eu fiquei lá também tinha um recepcionista gatíssimo (que era a cara do Diego Luna), mas provavelmente ele não deve mais trabalhar lá. Mas se alguém for se hospedar lá e encontrar um recepcionista chamado Jorge parecido com Diego, diga que mandei um olá! hehehehe Falando em recepcionistas, todos lá eram muto simpáticos e solícitos, não se importavam em explicar 5 mil vezes a mesma coisa até entendermos e até arriscavam um pouco de português. Eu achei esse albergue mais de “aventureiros” do que o que fiquei com o marido, e as pessoas eram mas abertas e maluquinhas.

A área da TV, também conhecida como "área que a Livia escrevia e lia por um tempão".

A área da TV, também conhecida como “área que a Livia escrevia e lia por um tempão”.

O hostel em que fiquei quando viajei com o marido, o Portal Del Sur, era mais organizado, limpo e de melhor localização que o El Firulete. Ele foi uma indicação das irmãs do Raphael, que haviam se hospedado lá no ano anterior. Gostei muito de lá desde o princípio. Tinha elevador para subir com as malas, o local era uma gracinha e o quarto super arrumadinho, com banheiro privativo, só nosso (no El Firulete era compartilhado). O Portal del Sur também fica no centro da cidade, mas como ele fica quase na esquina com uma das maioria avenidas de lá, é um pouco mais seguro e tem mais movimento à noite. Ficamos em um quarto de casal que tinha uma cama, um armário, uma tv (yay!) e o banheiro era super gracinha também.

Meu quartinho.

Meu quartinho e nossas bagunças.

Pra quem gosta de beber e bares, eles fazem um bar crawl, que consiste em ir de bar em bar bebendo, comendo e fazendo o que quer que as pessoas fazem em bares. As irmãs do Raphael fizeram e adoraram. A gente só aproveitou as áreas externas do albergue mesmo, que são super fofas e bem espaçosas, e a sabedoria de restaurantes bons dos recepcionistas. Eles, assim como os do El Firulete, eram muito simpáticos, solícitos, e tinham várias dicas sobre a cidade. Agora, uma coisa que achei muito legal lá é que eles tem aulas de castellano lá. Tem uns dias certos que um professor da língua vai lá e quem quiser aprender um pouco mais do idioma pode se inscrever. Só não sei se as aulas eram pagas ou não, mas achei ótima a ideia!

Nós dois na "commom room" do hostel. Sei que não dá pra ver nada, mas era fofo.

Nós dois na “commom room” do hostel. Sei que não dá pra ver nada, mas era fofo.

Teto da commom room e uma parte da escada que levava para alguns quartos.

Teto da commom room e uma parte da escada que levava para alguns quartos.

Perto desse albergue tinha uns restaurantes muito bons, como o Manduca al paso, um café que já falei sobre aqui no blog, a El Tablón, uma pizzaria muito legal com tema de futebol e uma pizza deliciosa, e uma das várias filiais do Café Havanna. Ou seja, ótima localização mesmo.

Mas se você quer um local mais agitado, perto das boates e restaurantes “da moda”, recomendo ficar em Palermo ou Recoleta. Uma amiga minha, a Clarissa, do blog Uma Garota Carioca, ficou em Recoleta e você pode entrar no blog dela pra saber um pouquinho mais sobre o local.

Acho que é isso por hoje. Já estou há três horas escrevendo esse post e daqui a pouco receberei amigos em casa, então acho que é hora de ir! Beijinhos e até outro dia!

A piza do El Tablón, pra vocês terem uma ideia da delícia que era!

A piza do El Tablón, pra vocês terem uma ideia da delícia que era!

A decoração da pizzaria, com várias bandeirolas de times brasileiros.

A decoração da pizzaria, com várias bandeirolas de times brasileiros.

Endereços:

El Firulete Downtown:  Maipu, 208.

Portal del Sur: Hipólito Yrigoyen, 855.

El Tablón: 9 de julio esquina com Av. de Mayo, 1417.

2 comentários sobre “Buenos Aires – Parte IV

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s