(semtítulo)

E na calada da noite

ela aparece

e se mostra

e desabrocha

e o que era já não é mais

e o que achava já ficou pra trás

E no pintar dessas rimas pobres

ela se pendura e não perdura

porque já não gosta mais do que vê, do que faz, do que atrai

e desfaz o certo pra buscar o incorreto

e o que não tem certeza

e o que não é de sua natureza

Mas quem disse que somos só aquilo que já somos?

Quem disse que não somos o que ainda vamos ser

o que ainda vamos descobrir

o que ainda vamos viver

e experimentar?

E ela segue, ela não nega

Ela não teme, ela caminha

Ela não se esconde, ela já é

 

Mas só na calada da noite

Porque quando sai o dia

tudo volta ao normal

E ela volta a ser o que já não queria

Mas não tem jeito, já é dia

E o dia não é hora para os revolucionários

para o blog

5 comentários sobre “(semtítulo)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s