Conteúdo no YouTube

Até hoje escuto pessoas falando do YouTube e de youtubers como se tudo no YouTube fosse ruim e como se todos os youtubers fossem idiotas e não merecessem o dinheiro que fazem e como se não fosse uma profissão que se deve respeitar. As pessoas que falam esse tipo de coisa com certeza não se mantiveram atualizados no mundo “youtubístico” e/ou estão procurando por assuntos que não são relevantes ou pelas coisas erradas.

Tem uns anos que o YouTube se tornou meio que um vício para mim, mas, enquanto no começo eu só assistia vídeos de pessoas internacionais e os temas que eu assistia variavam muito (porém nada muito sério), agora o YouTube virou, para mim, plataforma de aprendizado e militância – e agora eu praticamente só assisto canais nacionais.

Tem MUITO conteúdo de qualidade no YouTube se você souber procurar (e nem é difícil de achar), de todos os assuntos, mas como o que mais assisto é mesmo militância e temas políticos (com um pequeno desvio no meio para Carol Moreira, com seus vídeos sobre cinema e séries, e ASMR, que me salvou da insônia), são canais com esse tema que vou indicar pra vocês hoje.

  1. JoutJout Prazer

Julia Tolezzano, mais conhecida como Jout Jout, não deve ser estranha a quase ninguém. Agora ela tem um pequeno (íssimo) quadro no Saia Justa, da GNT, já deu entrevista pro Jô Soares (polêmica) e pipoca por aí o tempo inteiro em vários lugares. Ela ficou conhecida pela vídeo do batom vermelho (que, acho, foi o primeiro vídeo que assisti, mas quando ela ainda não tinha estourado como hoje em dia), onde falava sobre relacionamento abusivo. No começo ela não se achava feminista e dizia não querer levantar bandeira pra isso, mas depois de se educar (estudou muito, disse ela), percebeu que era sim feminista e hoje tá lá no seu canal empoderando mulheres e batendo um papinho com os homens héteros (principalmente) que estão a fim de ouvi-la (infelizmente, eles são poucos) – dedicou o mês de novembro todinho a vídeos para homens, sempre acompanhada de um (homem), já que o lugar de fala é deles, né não (e porque sem eles do seu lado ela temia que homem nenhum quisesse ouvi-la). Já impliquei com ela por um tempo, quando achei que ela estava fazendo um conteúdo um pouco raso e muito autocentrado, mas depois ela voltou com tudo e nunca mais parou de ser foda em todos os vídeos. Vale uma olhada (eu já indiquei ela antes por aqui nesse post).

 

2. Canal das Bee

O Canal das Bee é um canal de militância LGBTQ+ (sim, tem todas essas letras hoje em dia e muito mais, é só se inscrever no canal que você fica por dentro de tudo isso). Com eles eu aprendo diariamente. Como não faço parte da comunidade, dou o play e fico lá quietinha só ouvindo, prestando atenção e aprendendo, porque quando a gente não faz parte a gente tem mais é que ouvir quem faz pra saber a melhor forma de agir, como falar, tudo para não desrespeitar ninguém. Com eles aprendi que se tenho dúvida é melhor perguntar do que falar merda e acabar ofendendo alguém. Não custa nada e mostra respeito, porque isso que a gente quer, respeito pra todo mundo, certo? O Canal das Bee existe desde 2012 e várias pessoas já passaram por ele, sendo a mais conhecida Jessica Tauane, criadora do canal que precisou se afastar dele em 2018 porque ficou doente. Hoje estão à frente do canal Herbet Castro e Fernanda Soares, que são os “apresentadores”, e Cecília Pompeia e Simone na produção. Recentemente (em 14/12/18), lançaram um curta no canal que teve participação de vários youtubers.

 

3. Louie Ponto

A Louie é a youtuber mais amorzinho que você vai conhecer. Eu sou completamente doida por ela e pelo jeito simples e educado que ela passa questões tão importantes. Muitas vezes eu acho que somos muito agressivos ao passarmos questões importantes pra gente para os outros e principalmente questões de militância (eu não sou muito fã dessa palavra, porque acho que é somente uma questão de direitos iguais, justiça, mas não consigo encontrar outra melhor), o que também é importante porque tem vezes que o outro só entende na marra mesmo. Mas a Louie passa as informações com muita gentileza e deixa tudo muito claro e simples, deixando impossível não entender o que ela fala e não sentir empatia pelas questões LGBTQ+ (a Louie é lésbica) e questões feministas (ela acabou de se tornar mestra em Literatura na linha de crítica feminista e estudos de gênero). Todo vídeo dela dá vontade de dar um abracinho nela (como ela mesma diz) e sentar ali com ela e passar horas e horas conversando com ela tomando um café. Portanto, se você quer começar a estudar sobre feminismo e questões de gênero e identidade sexual, comece assistindo os vídeos da Louie.

 

4. Hel Mother

Hel Mother, codinome da Helen Ramos, é uma mulher cineasta mãe feminista. Ela criou o canal quando seu filho, Caetano, tinha uns 2 anos e sentia necessidade de falar de uma maternidade real, sem enfeites (mas também sem ser um pesadelo), algo que ela não encontrava por aí. Mas não ache que o canal da Hel é somente para mães ou pra quem pensa em ser mãe. Tanto que eu, que nem sequer quero ter filhos, amo o canal dela. Inclusive, foi muito importante e essencial eu já ser fã da Hel quando minha melhor amiga ficou grávida e começou a questionar toda essa aura irreal que colocam em volta da maternidade. Mas a Hel não fala só de maternidade, já que, antes de ser mãe, a pessoa é uma mulher, então tem muita informação sobre feminismo no canal dela também. Agora, com o filho já um pouco mais velho (Caetano está com 4 ou 5 anos, se não me engano), ela sentiu a necessidade de voltar a trabalhar com cinema e, além de voltar a atuar e escrever (ela é formada em cinema e também é atriz), escrevendo uma série chamada “Mãe Possível” para o GNT, no canal ela também criou o “Hel Cine”, onde faz críticas sobre filmes e séries e entrevista pessoas do mundo do cinema. Adoro a Hel e a sua mulher real e possível!

 

5. Quebrando o Tabu

Acho que todo mundo conhece o Quebrando o Tabu, né? Se não pelo YouTube, pelo Instagram, Facebook, e agora eles têm até um programa no GNT onde falam muito sobre política, sobre minorias, sobre ativismos no geral, mas sem serem partidários (eles lançaram um documentário também). No canal do YouTube, o Quebrando o Tabu tem 3 pessoas que ficam à frente dos vídeos: Vitor DiCastro, que fala sobre questões LGBTQ+, Fabrício Andrietta, que discute mais sobre política propriamente dita, e Mariana França, que fala de questões feministas, principalmente sobre a mulher negra. De todos os canais que indiquei aqui, esse é o que sou inscrita há menos tempo, apesar de segui-los pelo Instagram faz muito tempo, mas já aprendi muito com eles. Porque é pra isso que assisto esses canais, para aprender e me tornar alguém melhor. Posso até discordar de algumas coisas, mas a gente tem que saber ouvir e respeitar o que os outros sentem. E nos tornar cada vez mais empáticos.  Espero que vocês se interessem por buscar algum desses canais, te asseguro que vai achar muito conteúdo de qualidade e vai parar de reclamar que no YouTube só tem porcaria (também aceito indicações de canais!). Ah! E feliz 2019!