Festival do Rio 2015

Hoje é dia primeiro de outubro, o que significa que hoje começa o Festival de Cinema do Rio 2015, também conhecida pelo evento mais esperado por mim no ano inteiro! Ano passado não consegui ir em nenhum filme, então esse ano vou aproveitar que estou desempregada e com tempo livre (única coisa boa de estar desempregada) e vou tentar ir no máximo de filmes que conseguir – e óbvio que contarei tudo aqui no blog!

festival-do-rio-20152

Mas pra quem não conhece, o Festival do Rio é um festival de cinema que acontece todo ano aqui no Rio de Janeiro e esse ano vai do dia 01/10 (hoje, que, na verdade, é mais para convidados, para o público começa mesmo amanhã, dia 02) até o dia 14/10. Por que ele é fantástico? Porque a produção do festival traz à cidade filmes que, normalmente, não estariam em cartaz nos cinemas da cidade e agora todo mundo pode assistir. Tem filmes de todos os lugares do mundo (olhando a programação do festival, achei filmes da Romênia, Coreia do Sul, Paquistão, República Tcheca, entre vários outros países), de todos os tipos e para todos os gostos. Durante festivais passados, já vi filme chinês, japonês, mexicano, francês, indiano, argentino, e até americano! (hehe) Além de conseguir achar filmes que em outras ocasiões não seriam encontrados nos cinemas, ainda tem filmes que serão lançados daqui a muito tempo por aqui. Por exemplo, amigos meus assistiram, no festival do ano passado, o filme Whiplash, que concorreu ao Oscar desse ano e só foi lançado por aqui no início de 2015. É uma oportunidade única de assistir filmes maravilhosos (e outros não tão bons também, não posso mentir e dizer que só tem filme bom) e ainda participar de encontros com atores, diretores, roteiristas, produtores e de vários cursos da área (fui num debate ontem que foi simplesmente divino!). Ah! Vale dizer que também rola uma premiação entre os filmes brasileiros e, ao final do festival, os prêmios são entregues. Também é muito legal que tem uma categoria que quem vota são as pessoas, e no ano que o filme Apenas o fim participou, ele foi o grande vencedor dessa categoria. Vencedor super merecido porque o filme é lindo demais! (outro dia falo sobre ele por aqui) 

Troféu Redentor, prêmio dado aos vencedores do festival.
Troféu Redentor, prêmio dado aos vencedores do festival.

Mas claro que eu não vou só ficar falando do cinema sem dar nenhuma dica de filme. Eu ainda não li a programação inteira (parei na letra “N” e já marquei mais de 20 filmes que quero ver!), mas escolhi três filmes que achei muito interessantes pra indicar pra vocês.

  1. Mon Roi

thumb

O filme é francês, e se você leem sempre meu blog, sabem que sou apaixonada por filmes franceses. Mas no caso desse filme, minha indicação é totalmente baseada nos atores, porque um filme com Vincent Cassel E Louis Garrel não tem como não querer ver! E eu espero muito que eles estejam presentes em alguma exibição para eu conhecer os dois (e, quem sabe, se eu tiver cara de pau, tirar uma fotinho com ambos).

A história é sobre uma mulher, Tony, que está internada em um centro de reabilitação ortopédica desde que sofreu uma grave queda de esqui e vive à base de analgésicos. Ela passa a maior parte de seu tempo tentando relembrar detalhes de sua tumultuada e destrutiva história com George. Para Tony, esta difícil reconstrução começa agora, com um trabalho corporal que talvez permita a ela se libertar para sempre. (sinopse retirada do site do festival) Além de atores lindos bons, a história também é interessante, vai!

2. Escritório

escritorio

Escritório é um musical chinês. Pronto, só aí já me deu vontade de ver. Além disso, se passa no mundo corporativo. É tão diferente que não tem como não ficar curioso. Quero ver, quero ver demais! Mas vamos à história: em meio à crise global causada pelo colapso da Lehman Brothers, Miss Cheng, uma alta executiva temida e respeitada, se prepara para colocar sua empresa de um bilhão de dólares na bolsa. Ho Chung-ping, o presidente da empresa, que já foi seu mentor e agora é seu amante, prometeu-lhe uma gorda fatia das ações assim que o capital da companhia fosse aberto. Mas quando uma auditoria expõe anos de corrupção, a promessa de Chung-ping corre o risco de não se concretizar. (sinopse retirada do site do festival)

3. Nise – O coração da loucura

engenho_de_dentro_still_photo_por_vantoen_p_jr_94_1344310860

Esse filme me foi indicado por uma amiga hoje, antes mesmo de eu ver que estava na programação do festival. É um filme brazuca, e eu amo apoiar coisas nossas, porque fazemos sim coisas boas, e nossos filmes são sensacionais (claro que não todos, mas temos obras maravilhosas). E esse filme tem tudo pra dar certo: uma história boa sobre uma pessoa muito importante, uma atriz que sabemos atuar bem, um tema interessantíssimo. Conta a história de uma psiquiatra brasileira que se recusou a tratar seus pacientes com eletrochoque e lobotomia e acreditava que a arte poderia ajudar em muito a recuperação de uma pessoa com problemas psicológicos. Minha amiga disse que ela também acreditava que os animais eram ótimas companhias para esses pacientes e também ajudavam em seus tratamentos. Ela foi revolucionária em sua profissão e segue sendo muito importante até hoje, após sua morte.

Vocês podem encontrar os horários e locais que esses filmes passarão no site do Festival do Rio, assim como todos os outros filmes do festival com suas sinopses, horários e datas. Há também uma página no Facebook, constantemente atualizada. E bora respirar cinema por duas semanas!

_________♡_____________♥________

Pra quem perdeu lá no canal, onde publiquei a parte 2 da conversa sobre processo criativo com meus amigos Marina e Daniel, agora você pode ver por aqui!

_________♥_____________♡________

Segue eu!

Facebook * Twitter * Instagram * YouTube

Meus livros!

Queria Tanto (primeiro livro, publicado em 2011)

Coisas não ditas (segundo livro, publicado em 2013)

1535031_10202135446521247_1053149576_n1

Projeto 5 em 52 – 3a Semana

Faltam exatamente 29 dias pro meu aniversário de 30 anos, o que significa que estou:

1. No meu inferno astral;

2. Desesperada porque em 29 dias completo 30 anos;

3. No meu inferno astral;

4. Revendo, repensando, reconstruindo, e todos esses “res” que costumamos fazer perto de uma data significativa;

5. No meu inferno astral, já mencionei isso?

E, pensando nesse no item 4 dessa lista, decidi que não vou fazer mais o Projeto 5 em 52 todas as 2as feiras. Porque, às vezes, chega a 2a feira e eu não quero fazer uma lista de 5 coisas, quero escrever um texto corrido sobre a influência que o café tem na minha vida. Ou quero colocar fotos de caras que eu acho gatos só pra alegrar/embelezar um pouquinho esse blog. Ou quero reclamar de qualquer coisa, ou indicar um livro, ou surtar com um filme, ou, ou, ou… Portanto, sim, eu farei o projeto toda semana, mas não impreterivelmente nas 2as feiras.

Nina, porém, continuará dando o ar de sua graça todas as 5as feiras, não precisam se preocupar. (ela acabou de respirar aliviada aqui do meu lado)

Dito isso, pra me despedir das regras, hoje terá sim o projeto 5 em 52, porque mesmo depois de todo esse discurso eu continuo maluca e não faço o que falo que vou fazer quero dar um tempinho pra vocês se acostumarem com essa nova realidade (assim como tenho 29 dias pra me acostumar com minha nova realidade de mulher de 30). Tá bom? Tá bom. Então vamos lá!

Semana 3: Coisas para se fazer no calor.

Eu moro no Rio de Janeiro e, como vocês devem saber, morando aqui ou não, no Rio de Janeiro faz calor o ano inteiro! Aqui, as estações são demarcadas assim:

Verão: MUITO calor

Outono: um pouco menos de calor

Inverno: fica fresco, mas continua calor

Primavera: quase MUITO calor

Então, na verdade, o tema dessa semana, para mim, são “coisas para se fazer na vida”, praticamente, porque não há época específica para o calor por aqui. Mas, vou fingir que moro em um lugar com as estações bem demarcadinhas e falar o que eu faria caso só tivesse três meses de calor por ano. O que, graças a Deus, não é verdade (sim, eu não suporto frio e AMO calor, uma das poucas vantagens de se morar no Rio de Janeiro).

1. Ir à piscina

Não que eu vá. Eu quase não vou à piscina (no prédio que eu moro não tem piscina, no prédio dos meus pais tem muita criança na piscina, e eu não sou sócia de clube nenhum). Mas, se eu pudesse, se eu morasse em uma casa e tivesse uma piscina no meu quintal, provavelmente eu iria à piscina todos os dias! Eu AMO piscina. Eu amo MUITO piscina. E eu amo ficar dentro da piscina, e não ficar pegando sol na beira, como eu vejo muita gente fazendo (por que, gente, por que?????). Melhor coisa do mundo ficar dentro de uma piscina com a água morna, os pés na borda e o corpo meio que boiando, só relaxando… Piscina relaxa muito! Quando eu era criança e morava em outro prédio, ficava muito na piscina, exatamente do jeito que tô falando. Ah, como era bom… Meu plano para quando ficar rica é esse: ter uma casa com piscina. Serei a pessoa mais feliz do mundo!

dog-pool-party-lucky-puppy-23

E antes que alguém pergunte: sim, eu prefiro piscina à praia. Só vou à praia em último caso. Ou então no caso a seguir.

2. Ver o pôr do sol no Arpoador.

Eu nunca tinha ido ao Arpoador ver o pôr do sol. E isso, pra quem mora aqui no Rio de Janeiro, é quase uma ofensa. Só pra explicar pra quem não mora aqui na cidade ou quem nunca veio ao Rio ou que mesmo já vindo ao Rio nunca pisou no Arpoador (tadinho), o Arpoador é uma praia que consiste, basicamente, em um posto e uma pedra. Essa pedra se chama “Pedra do Arpoador” (pelo menos é o nome que todos chamam, não sei se tem um nome mais científico) e é muito famosa por aqui por ser a pedra onde locais e turistas se reúnem para assistir ao pôr do sol. E eu te digo: é como se fosse um evento mesmo. Várias pessoas chegam por lá um pouco antes do horário do sol se pôr, arranja, com dificuldade (porque tá sempre muito cheio, mas não cheio insuportável, e eu tenho fobia de multidões), um espacinho na pedra e fica lá, esperando o sol se pôr.

Foto que tirei nesse único dia que fui lá no Arpoador.
Foto que tirei nesse único dia que fui lá no Arpoador.

E eu vou te dizer: é um espetáculo maravilhoso! Como eu disse, eu nunca tinha ido ao Arpoador assistir o pôr do sol. Achava meio besta, e eu não sou muito fã de praia. Mas eis que a prima dos meus primos, que é de Salvador, quis ir lá e fui com elas. E ainda bem que fui. Porque é lindo demais. E é mais legal ainda o clima que fica lá. É uma sensação de paz, de alegria, de euforia. O sol começa a baixar e as pessoas começam a vibrar. E quando ele desaparece por trás do morro, todo mundo bate palma. É emocionante, de verdade. Se você mora aqui na cidade e nunca foi assistir o pôr do sol no Arpoador, vá. E se você, por acaso, vier ao Rio, não deixe de participar desse evento que, te prometo, é inesquecível. E claro, digo que é uma coisa a se fazer no calor (principalmente no verão) porque é quando o céu está claro e a temperatura mais amena, porque o tempinho na praia pode ficar bem frio por causa da proximidade do mar.

3. Tomar sorvete sem culpa

Se você for como eu, você toma um sorvete imenso e se sente imediatamente culpada depois pela quantidade imensa de calorias que você está ingerindo. Porém, isso não acontece no calor! Porque, apesar de no resto do ano eu pensar que não precisaria estar tomando aquela divindade num potinho, no verão eu penso: “eu posso porque preciso me refrescar”. E qual o melhor jeito de se refrescar do que tomando um belo sorvete? (Nem pense em responder “tomando um suco” porque esta resposta está errada!) Eu, que já amo um sorvete (é, de longe, meu doce favorito), fico muito feliz em poder tomar sorvete indiscriminadamente durante todo o verão. E sem sentir peso na consciência (ok, talvez só um pouquinho, mas depois eu suo e penso que estou perdendo toda a gordura no suor, o que sei que não é verdade, mas uma garota pode se enganar).

tumblr_mtncr5PKiV1ralbiso1_500

4. Ficar no ar-condicionado, seja onde for

No calor, você tem desculpa pra ligar o ar-condicionado. “Ah Livia, mas ar-condicionado gasta muita energia e a conta de luz fica muito cara”. Sim, é verdade, eu mesma sofri com isso. Mas aí você pensa: “Se eu não ligar o ar-condicionado, vou ter que pagar mais com hospital depois, já que vou passar mal de calor” (aqui no Rio de janeiro, pelo menos, o calor é de exaurir e fazer passar mal mesmo). E aí você escolhe ligar o ar-condicionado e viver feliz para sempre.

Sem contar que é uma mega desculpa boa pra você fazer coisas que você quer fazer. Exemplo 1: você quer ir no shopping ver vitrines, mas se sente fútil fazendo isso. “Ah, mas lá tem ar-condicionado e indo pra lá, gasto menos energia em casa, pagando menos na conta de luz”. Exemplo 2: você tá muito a fim de ir no novo restaurante que abriu perto da sua casa, mas tá meio sem grana. “Ah, mas lá tem ar-condicionado, e a conta do restaurante vai ser mais barata do que a conta de luz se eu usar ar-condicionado em casa”. Exemplo 3: quer ir ao cinema e tá em dúvida se vai ou não? Primeiro que qualquer dúvida em relação a ir ao cinema é sempre sim, vá ao cinema (isso seria o número 1 dessa lista, inclusive, mas preferi colocar outras coisas pra ser menos óbvio, porque minhas respostas sempre serão “cinema, cinema, cinema, filme). E segundo que lá tem ar-condicionado, então… o resto vocês já sabem. Pronto, dilemas resolvidos!

Com ar-condicionado, você nem precisa fazer isso.

5. Viajar

Sim, viajar. Mas não é qualquer viagem, e sim para lugares onde esteja calor! O que quero dizer com isso? Quero dizer que nunca iria pra Europa quando lá estivesse frio pelo simples fato de que não lido bem com frio e não consigo fazer nada quando a temperatura está abaixo de 20 graus (sério, o frio me paralisa). Então, pra eu viajar pra um lugar que faz muito frio no inverno, eu tenho que ir quando está calor.

Na verdade, é melhor ir pra qualquer lugar quando se está calor (nem só para lugares que fazem muito frio) porque você pode levar roupas mais leves, o que diminui consideravelmente o peso da sua mala, o que facilita na hora de carregá-la (e na hora de comprar coisas também, porque com a mala mais leve, mais coisas você pode comprar). Então, apesar de ser bom viajar em qualquer época do ano, a melhor é sempre quando está calor no local para onde você vai.

Olha que lindeza Londres no verão! Um dia...
Olha que lindeza Londres no verão! Um dia…

É isso, gente. Espero que tenham gostado da listinha de hoje. E me digam se concordam comigo e escrevam nos comentários o que vocês gostam de fazer no calor. E, se gostarem do projeto e forem fazer, não esqueçam de me avisar, fico curiosa! 🙂

Ah! Olha minhas redes sociais! Segue eu lá! 😉

Facebook * Twitter * Instagram * YouTube

1535031_10202135446521247_1053149576_n