Carol

Carol

Indicações: Melhor atriz (Cate Blanchet), Melhor atriz coadjuvante (Rooney Mara), Melhor roteiro adaptado (Phyllis Nagy), Melhor fotografia (Edward Lachman), Melhor figurino (Sandy Powell), Melhor trilha sonora (Carter Burwell).

Sinopse: A jovem Therese Belivet tem um emprego entediante na seção de brinquedos de uma loja de departamentos. Um dia, ela conhece a elegante Carol Aird, uma cliente que busca um presente de Natal para a sua filha. Carol, que está se divorciando, também não está contente com a sua vida. As duas se aproximam cada vez mais e, quando Harge a impede de passar o Natal com a filha, Carol convida Therese a fazer uma viagem pelos Estados Unidos. (retirado do site Adoro Cinema).

Carol-filme-cartaz
Pôster do filme.

Assisti Carol com duas amigas e marido e só eu gostei do filme. Os outros acharam devagar e fraco. Bem, eu não concordo com eles. Sim, o filme realmente demorou a engatar. O começo parecia cenas aleatórias da vida de Therese, personagem de Rooney Mara (esse nome me incomodou TANTO! Por que não TheresA?), que se apaixona aos poucos por Carol, personagem de Cate Blanchet, diva como sempre (já a atuação de Rooney não me agradou tanto, achei sem sal). Eu disse que Therese (por que, meu deus, por que?) se apaixonada aos poucos por Carol, mas acho que, na verdade, ela se apaixonou logo na primeira vez que a viu, mas não tinha coragem de assumir sua sexualidade nem para ela mesma, visto a época em que a história se passa (na década de 50). E, pra mim, o tema principal do filme é esse, a diferença entre a segurança de Carol e a insegurança de Therese. Carol é totalmente segura de seus amores, sua sexualidade e de como quer viver sua vida. Já Therese, que só está descobrindo agora sua sexualidade, ainda não é segura como Carol – na verdade, Therese não tem certeza de nada na sua vida. Em um momento em que eu adorei do filme (porque me identifiquei bastante), ela diz que ela é a pessoa que só diz sim, ou seja, ela vai fazendo as coisas que aparecem na vida dela, sem escolher, mas só porque essas coisas aparecem, mas ela não tem muita certeza de que ela quer realmente aquilo. E com Carol acredito ser a primeira vez que ela realmente percebe que é aquilo mesmo que ela quer, é uma escolha que ela finalmente consegue fazer. E imagino o quão difícil deve ser se assumir homossexual em uma época tão repleta de preconceitos e ignorância. Por isso também acho que o filme tem uma importância imensa, retratar esse romance, algo que vemos tão pouco nas telas dos cinemas.

carol-cena-5
Rooney Mara como a personagem com o nome mais incomodativo do mundo!

Esses opostos que Carol e Therese representam vão sendo mostrados o tempo todo no filme, e o engraçado  é que a medida que Therese vai se tornando mais segura de si, Carol é obrigada a desfazer todas as certezas que teve em sua vida e a fingir ser quem não é por um motivo externo a ela. E achei isso muito interessante. Todas as mudanças das personagens foram bastante sutis, não foram de forma abrupta, e acho que isso conta como positivo no filme, porque há uma explicação, você entende o motivo daquilo acontecer (apesar dos meus colegas de filme não concordarem comigo, porque eles às vezes reclamavam que elas estavam lentas demais e outras que estavam rápidas demais, o que eu não concordo). Pra mim, tudo aconteceu no tempo certo. Entre elas duas. Porque o desenvolvimento da história, principalmente no final, achei muito corrido e não aprofundou tanto quanto eu gostaria. Mas entendo que é difícil transpor um livro para as telas do cinema, ainda mais um tão complexo quanto sobre o relacionamento entre duas mulheres com idades tão díspares na década de 50.

973207_243849
Cate Blanchet e toda a elegância de carol.

Quanto às indicações, eu não daria o prêmio para Cate Blanchet, muito menos para Rooney Mara, e também acho que existem roteiros adaptados melhores (O quarto de Jack, por exemplo, tá ganhando em disparado na minha listinha), mas o Oscar de figurino já é dele. Que roupas maravilhosas, com um detalhamento incrível! A trilha sonora é fantástica também, guiando nossas emoções exatamente como eles querem, a música nos dá a sensação exata de cada momento do filme e parece que estamos lá, sentindo o mesmo que os personagens. A fotografia tá impecável também, mas tem outros filmes com fotografia melhor (como A ponte dos espiões). Porém, se ganhar o prêmio, eu não ficaria chateada.

filme-carol1
Mais um pouquinho desse figurino e cenografia super detalhistas do filme.

No geral, é um filme bem bom. Só não é excepcional.

_________♥_____________♡________

Segue eu!

Facebook * Twitter * Instagram * YouTube

Snapchat: liviabrazil

Meus livros!

Queria Tanto (primeiro livro, publicado em 2011)

Coisas não ditas (segundo livro, publicado em 2013)

para o blog

 

Ponte dos espiões

Boa segunda-feira, todo mundo! Hoje tô aqui pra falar e mais um dos filmes indicados ao Oscar, e esse eu gostei BASTANTE!

Ponte-dos-Espioes-poster-nacional

Ponte de espiões (Bridge of spies)

Indicações: Melhor filme, Melhor ator coadjuvante (Mark Rylance), Melhor roteiro original (Matt Charman, Ethan Coen e Joel Coen), Melhor design de produção (antigo direção de arte), Melhor trilha sonora, Melhor mixagem de som.

Sinopse: Em plena Guerra Fria, o advogado especializado em seguros James Donovan (Tom Hanks) aceita uma tarefa muito diferente do seu trabalho habitual: defender Rudolf Abel (Mark Rylance), um espião soviético capturado pelos americanos. Mesmo sem ter experiência nesta área legal, Donovan torna-se uma peça central das negociações entre os Estados Unidos e a União Soviética ao ser enviado a Berlim para negociar a troca de Abel por um prisioneiro americano, capturado pelos inimigos. (retirado do site Filmow)

Antes de qualquer coisa, preciso dizer que depois de ler a crítica do filme no site Adoro cinema, me sinto um poeirinha no cantinho do rodapé de uma sala enorme, então vou focar a minha humilde crítica somente no que eu me chamou a atenção no filme e dizer do que gostei muito nele, deixando a resenha técnica e explicativa para essa crítica que, eu suplico-vos, LEIAM (é só clicar no nome do site algumas linhas acima).

Agora, falando sobre as coisas que me chamaram muito a atenção em Ponte dos espiões (que eu fiquei até agora achando que se chamava Ponte DE espiões, preciso começar mencionando a cor desse filme, que é fenomenal! A cor foi trabalhada (não sei se na pós-produção ou se já foi filmado assim, provavelmente não, provavelmente foi na pós mesmo) para ter um clima de filme dos anos 50 (1957, mais especificamente), década em que o filme se passa. Estamos em plena guerra fria, e pelas cores parece mesmo que estamos lá (o que eu super não gostaria de estar). Eu amei essa ideia e já disse aqui mais de uma vez que adoro diretores (ou diretores de fotografia) que pensam em cada detalhe do filme.

tom01-750x380
Tom Hanks em cena como o advogado James Donovan.

Outra surpresa grata do filme, que só é surpresa porque eu não conhecia (ou me lembrava) do ator, é a atuação totalmente no ponto de Mark Rylance, o soldado russo. Não pensarei duas vezes antes de aplaudir de pé se ele ganhar o prêmio de melhor ator coadjuvante, o que estou torcendo muito pra que aconteça. E vou ficar MUITO p da vida se quem ganhar o prêmio for o Stalonne, que está concorrendo na mesma categoria com o filme Creed. Muito mesmo! O cara faz um espião calado e sério ser carismático. E você acaba torcendo por ele o tempo todo. Óbvio que isso vai muito também da construção do personagem pelo roteirista (no caso, roteiristas) e das cenas que mostram Rudolf Abel (o personagem de Mark) como uma pessoa comum, com interesses e hábitos como o de quaquer outra pessoa, e não como um espião estereotipado, da direção (de Steven Spielberg), mas a interpretação do ator também faz diferença, claro. Se fosse um ator ruim, nunca conseguiria nos cativar como Mark faz.

Ponte-dos-Espioes-3
Mark Rylance.

Gostei muito da história também porque eu nunca fui grande entendedora da Guerra Fria, e como ela é pouco explorada nos produtos cinematográficos (II Guerra Mundial é rainha nesse quesito), não tinha tido oportunidade antes de vê-la nas telas e entender um pouco mais. (Poderia ter lido mais sobre ela? Poderia. Fiz isso? Não.)  E é interessante ver que mesmo não sendo uma guerra que chegou as vias de fato, não foi algo fácil de se viver mesmo assim, a violência não é só física, não é mesmo? (se bem que existia violência física também, e como!) Gostei de conhecer um pouco mais sobre a Guerra Fria e de como ela foi explorada pelo filme, os personagens que o filme explorou, e de como não fizeram os EUA parecerem os grandes mocinhos e todo o resto os bandidos que tem que se lutar contra sempre (como diz a crítica que mencionei acima). E olha, eu tinha pego uma certa implicância com Tom Hanks desde O código Da Vinci (não com o ator em si, mas com sua atuação), mas nesse filme ele se redimiu. Interpreta muito bem o papel, e não colocou tanto a personalidade que sempre imprime nos personagens. Também gostei bastante dos pontos cômicos comedidos e nos lugares certos, deu uma equilibrada na tensão e deu realmente pra rir, são tiradas inteligentes.

Resumindo, é um filme de excelente qualidade, que mereceu sim estar no hall dos indicados a melhor filme, e, por enquanto, para mim, é o segundo melhor filme da lista (porque o melhor é Spotlight até agora, mas isso fica pra um próximo post – segundo post que deixo um tom no mistério no ar. hahahahahahaha). Deixo pra vocês agora o trailer do filme, pra vocês entenderem um pouco do que estou falando.

_________♥_____________♡________

Segue eu!

Facebook * Twitter * Instagram * YouTube

Snapchat: liviabrazil

Meus livros!

Queria Tanto (primeiro livro, publicado em 2011)

Coisas não ditas (segundo livro, publicado em 2013)

para o blog