Escrever

Sabe quando você está tão cansado que não consegue fazer nada? Não para de encarar a bagunça da sala,  mas sente que não tem condições físicas de colocar tudo no lugar? Você até esquece que colocou a garrafa de água pra encher e quando entra na cozinha, uma hora depois, ela está transbordando e alagando a pia inteira, molhando toda a louça que já estava seca, mas você não teve ânimo para guardar.

Sua cabeça lateja e você tem certeza de que toda exaustão física está,  de algum jeito, ligada à sua exaustão mental, à sua incansável tentativa de arrumar algo pra fazer da vida, de encontrar alguma coisa que você faça bem, ou de, pelo menos, arranjar um emprego qualquer que parece não existir em meio à crise econômica em que seu país se encontra. E aí você cansa. Cansa de pensar, de tentar, de tudo. E a cabeça está quase explodindo. Apesar de você saber que só existe uma coisa que você sabe fazer bem: contar histórias.

Sabe, eu ando por aí inventando histórias. Toda situação é passível a anotações. Até a situação mais trivial, como encher uma garrafa de água ou arrumar uma sala, acaba nas folhas de papel, como se fosse o acontecimento mais importante do mundo. Foi assim que esse texto começou. Mas não sai daí. Nada sai dos cadernos, fica por aí mesmo. Nas histórias,  na minha cabeça. Porque na vida real nada acontece. Não num país onde não dá pra viver de livro. E aí,  o que fazer,  além de continuar a ver histórias incríveis em detalhes cotidianos?

image

_________♡_____________♥________

Pessoas bonitas! Quero pedir desculpas pelo sumiço. Tava organizando um brechó esperto com as amigas e o tempo das últimas semanas foi todo pra ele. Mas o evento foi um sucesso e, em breve, falarei mais dele por aqui. Mas agora estou de volta!  Tava com saudades de vocês!

Beijocas!

_________♥_____________♡________

Segue eu!

Facebook * Twitter * Instagram * YouTube

1535031_10202135446521247_1053149576_n

Aniversário e 30 anos

Então, eu fiz aniversário ontem (05 de maio). E eu fiz 30 anos. #Aimeudeusoqueeufaçodaminhavida

Vamos deixar esse último detalhe de lado e nos concentrar na parte em que fiz aniversário, deixemos a idade para lá porque ela não importa (#Aimeudeusoqueeufaçodaminhavida!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!).

Eu sempre adorei fazer aniversário. Apesar de não ser uma pessoa que goste de chamar a atenção, nem de ter todos os olhos voltados para mim (a hora do parabéns já foi uma tortura para mim em tempos remotos), sendo filha única, eu gosto de ter um dia todo para a minha pessoa. E ai de alguém inventar de fazer aniversário no mesmo dia que eu, vai ter que comemorar em outro dia (jã basta eu conhecer gente que faz aniversário dia 03, dia 07, dia 10, e ter que batalhar por finais de semana de comemoração). Quando eu era criança, sempre tive festa no play (com tudo feito por meu querido papai, que é um mestre em desenho e fazia todos os bonecos das minhas festas em isopor).

Essa aí é a decoração do meu aniversário de 4 anos, toda feita pelo meu pai!
Essa aí é a decoração do meu aniversário de 4 anos, toda feita pelo meu pai!

Quando adolescente, as comemorações ficaram um pouco mais básicas, e quando virei adulta se transformaram apenas em uma reuniãozinha cheia de comida e só com a família (que já é um bandão de gente), e depois a família do marido se juntou à galera também. Porém, contudo, todavia, esse ano eu fiz 30 anos (#Aimeudeusoqueeufaçodaminhavida??????????????). e resolvi convidar alguns amigos também. E eu não podia ter tido ideia melhor!

Em épocas especiais (ano novo, natal, aniversário), a gente geralmente para e repensa um pouco a vida. E não fiz diferente. E apesar de ficar triste de pensar que muuuuuuuuuuuuuitos amigos desapareceram da minha vida (uns me decepcionando, outros sem motivo algum, a vida levou mesmo), fiquei muito feliz de perceber que ganhei vários novos amigos e que, não, eu não estou sozinha no mundo como eu imaginava. Essas novas pessoas, apesar de não estarem na minha vida há tanto tempo assim, são muito queridas e companheiras, sempre dispostas a ajudar quando preciso, sempre presentes. E eu fico muito feliz por tê-las na minha vida, mesmo com as brigas que ocorrem de vez em quando (que é super normal, vamos falar a verdade, afinal, as pessoas são diferentes, pensam diferente, agem diferente, e não tem como não haver atrito alguma hora).

Momentos da festa. Primos e irmãs de coração, papi e mami, amigos lindos e a loucura que é a hora do parabéns na minha família.
Momentos da festa: Primos e irmãs de coração, papi e mami, amigos lindos e a loucura que é a hora do parabéns na minha família.

E claro que também é fantástico perceber que algumas amizades não mudam nem enfraquecem nunca. não importa os anos que se passam. Tenho duas amigas que considero irmãs e as conheço desde que somos piquirruchas. E nossa amizade só cresce com o tempo. E sei a sorte que tenho de tê-las na minha vida, pessoas que sempre posso contar, a qualquer momento, pra qualquer coisa, assim como a minha imensa e maravilhosa e louca família que, eu não me canso de dizer, eu não seria nada sem. E não tenho nem o que falar do meu marido, maravilhoso, que me ajuda, me acalma, me protege, e não se cansa de demonstrar o quanto me ama. E eu… ah, como eu o amo! Isso tudo pra dizer pra vocês que não importa o momento da vida, não importa que vocês estejam passando por situações difíceis, que a vida não esteja lá muito fácil, que vocês estejam fazendo 30 anos, mas se vocês tem pessoas queridas em volta é isso que importa, é com elas que vocês devem contar, porque com certeza elas farão o máximo para te ajudar. E eu sei que vocês tem alguém querido assim, por mais que ache que não tem, assim como eu achava que não tinha. Mas só de ver como as pessoas se esforçaram pra me parabenizar no meu dia, o carinho dispensado e todos os sorrisos na minha direção, eu percebi que não sou totalmente intragável. E vocês também não são, por mais que às vezes achem que são. #LivrodeautoajudaModeOn

Momento mais divertido da festa (além do parabéns).
Momento mais divertido da festa (além do parabéns). Só eu estava falando no telefone de verdade.

E claro que uma coisa maravilhosa de aniversário, que é um dos motivos de eu adorar aumentar mais um aninho de vida, é ganhar presente! E esse ano ganhei vários lindos! A maioria com tema de gatos porque, né, as pessoas me conhecem. #Aloucadosgatos E tudo começou com uma tatuagem, a minha primeira tatuagem, que obviamente foi de gato e pude homenagear todos os gatos que já tive (Luna, já falecida, e os meus três lindos de agora, Leo, Nilo e Valentina). Foi presente da minha tia e eu amei! Se é pra fazer 30 anos, que seja com estilo fazendo uma tattoo, né não? Sempre quis fazer, mas achei que seria uma forma ótima de fazer dos meus 30 anos um marco e algo positivo.

As patinhas representam os gatos.
As patinhas representam os gatos.
Tudo de gato! Presentes dos amigos Alexandre (postais), Natasha e Raquel (copo), da sogra e da cunhada (luminária) da prima Julia e do marido dela, Andre (chaveirinho).
Tudo de gato! Presentes dos amigos Alexandre (postais, que ele achou da Livraria Travessa), Natasha e Raquel (copo da Uatt?), da sogra e da cunhada (luminária, da loja Azeitona) da prima Julia e do marido dela, Andre (chaveirinho).
A caneca foi marido quem deu (é de um café/lanchonete/restaurante) que amamos chamado Catarina, que tem a melhor coxinha de galinha do mundo!) e a luvinha é da Thais. Gracinhas, né?
A caneca foi marido quem deu (é de um café/lanchonete/restaurante) que amamos chamado Catarina, que tem a melhor coxinha de galinha do mundo!) e a luvinha é da Thais. Gracinhas, né?
Esmaltes porque são as únicas coisas de beleza que as pessoas sabem que eu vou usar! hahahahaha O da esquerda é da Boticário e foi a irmã de coração Vivian quem me deu, e o da Quem disse, Berenice foi presente da Clarissa, do blog Uma Garota Carioca (que, inclusive, está na foto lá de cima, no meu grupo de amigos. Será que vocês reconhecem ela?).
Esmaltes porque são as únicas coisas de beleza que as pessoas sabem que eu vou usar! hahahahaha O da esquerda é da Boticário e foi a irmã de coração Vivian quem me deu, e o da Quem disse, Berenice foi presente da Clarissa, do blog Uma Garota Carioca (que, inclusive, está na foto lá de cima, no meu grupo de amigos. Será que vocês reconhecem ela?).
Blusa do Game of thrones do Chico Rei, que foi presente também da Vivian e do namô dela, Kelvin. E a branca foi presente dos primos, é da Cecília Brandão e é fantástica!
Blusa do Game of thrones do Chico Rei, que foi presente também da Vivian e do namô dela, Kelvin. E a branca foi presente dos primos, é da Cecília Brandão e é fantástica!
O tênis de cupcakes foi presente da minha amiguíssima Marina, e veio junto com um pouco da história dela, já que era dela antes. Adoro presentes assim!
O tênis de cupcakes foi presente da minha amiguíssima Marina, e veio junto com um pouco da história dela, já que era dela antes. Adoro presentes assim!
E por último, o arranjo de flores feito pela minha prima Julia. Belíssimo! Ô família talentosa que eu tenho!
E por último, o arranjo de flores feito pela minha prima Julia. Belíssimo! Ô família talentosa que eu tenho!

E assim, de muito amor (e presentes lindos) foi feito meu aniversário. Ainda recebi ligações e mensagens super carinhosas que amei – além dos eventuais “parabéns” (assim mesmo, sem pontuação final nenhuma) no Facebook dados porque a rede social em questão lembrou. Mas tá tudo valendo!

Ah! Lá no meu canal tô falando sobre como é fazer 30 anos. Se você ainda não fez e quer saber como é a sensação, sugiro dar um corre lá pra já ir se preparando! E se você já fez, dá uma olhadinha e me diz se concorda comigo! Beijocas!

Segue eu!

Facebook * Twitter * Instagram * YouTube

1535031_10202135446521247_1053149576_n

A (nem sempre) deliciosa vida de Nina – Episódio 3

Bom dia, amiguinhos, já estou aqui! *rola os olhos por ter feito tal referência*

Hoje, não vou ficar de delongas, vou direto pra mais um capítulo da vida de Nina. Não esqueçam de comentar sobre a história, sobre o que estão achando, se estão gostando de Nina etc e tal, ok?

Besos!


A volta dos que já tinham ido – e a ida de quem já devia ter ido faz tempo!

Vida,

Você lembra do Renato? Ele é um dos ex-namorados que falei da última vez que conversamos. Ah, claro que você lembra. Não tem como esquecer, não é mesmo? Pois bem, eu encontrei com ele e, adivinha!, agora somos roomates. Ele estava precisando de um lugar pra morar, eu tinha um quarto livre no meu apartamento e um leve (lê-se imenso) desespero em conseguir pagar minhas contas em dia (por falta de dinheiro), então eis que ele  foi minha solução.

Mas não pense, Vida, que por causa disso voltaremos a namorar ou que eu ao menos tentarei reconquistá-lo. Não vou mesmo. Hoje sei que não tínhamos nada a ver e foi realmente uma benção aquela cascavel que ele chamada de ex-namorada ter infernizado tanto a nossa vida, mesmo a distância, que a gente se separou. Aliás, lembra dela? Pois é, ela morreu. Não podia ter sido antes de eu e Renato namorarmos, ela continuar melhor amiga da mãe e falar comigo todo dia querendo saber dele? Mas enfim, ela morreu. Você imagina minha cara quando ele me contou isso?

Hm… Tell me about it.

Bem, que coisa, né? Bebeu tanto que morreu de cirrose aos 33 anos. Não que isso me surpreenda, de jeito nenhum, era de se esperar. Quando ele me contou, eu ri. Desculpa, mas eu ri. Eu, que nunca desejei a morte nem sequer de uma barata (ok, mau exemplo, de uma mosquinha), ri quando fiquei sabendo. Mas você sabe o infortúnio que ela era. Agora entendo ainda mais a lei de ação e reação. Você faz o mal para os outros, o mal um dia vai chegar até você. E, no caso dela, o mal chegou em forma de uma senhora de capa preta e foice nas mãos. Ou de uma interminável garrafa de cachaça.

Renato disse que não ligou muito para o fato, e eu acredito nele. Afinal, acho que ele deixou de ligar para aquela maluca quando os dois ainda estavam juntos. A mãe, porém, ficou triste.

Mas, como eu já disse, nem o fato da cascavel estar morta e nem o fato de morarmos juntos vai mudar o fato de que nosso tempo já passou (e eu nem quero que volte mesmo) e que, talvez, dê até pra nascer uma amizade daí. E vou poder mostrar pra falecida de que é possível ser uma ex-namorada suportável.

Da sua,

Nina.

Eu no momento, sem conseguir parar de sorrir. Sou má?